A Importância do Blog Para o E-commerce | Agência Mestre

Montar uma loja virtual não é tão difícil, existem diversas ferramentas e plataformas boas disponíveis, tanto de código aberto quanto as alugadas. Também há uma série de meios de pagamento com diferentes opções. Existem diversos recursos para frete e marketing digital.

Mas fazer as escolhas e saber como relacionar tudo para uma loja virtual de sucesso, voltada para o seu público alvo e bem administrada é um desafio.

Aliar a estratégia de marketing de conteúdo, identidade visual, captura de leads com uma loja virtual é um desafio que pode gerar muitos resultados. Confira essas dicas do Fábio Ricota.

O e-commerce é um canal voltado em vendas, dando ao seu público a oportunidade de fazer uma transação de uma maneira rápida e prática. Já o blog tem como objetivo transmitir conhecimento, gerar empatia e, com isso, gerar comentários e reações. Mas como essas duas potências se juntam para gerar mais negócios?

Como você já deve saber, em Inbound Marketing existe uma pirâmide separada em três partes: ToFu, MoFu e Bofu, que são, respectivamente, topo, meio e fundo de funil. Lá no topo de funil é onde fica a atração, ou seja, é o momento em que você leva uma pessoa a conhecer a sua marca e se atrair pelo material que você tem. Para isso, é necessário ter um bom conteúdo e oferecer informações que levarão pessoas comuns a se tornarem possíveis compradores, e é nessa etapa que os blogs entram, uma vez que eles são responsáveis por conectar o público à sua empresa.

Como ter um blog mais efetivo?

Ter um blog integrado ao seu e-commerce, como já vimos, te dá a oportunidade de atrair a atenção de seu público e gerar novas vendas, mas para isso é necessário que você tenha uma estratégia de SEO com Inbound Marketing para saber qual a persona de seu e-commerce e qual é o conteúdo mais adequado para ela em cada momento específico. Além disso, existem pontos importantes para aplicar ao seu blog:

  • Faça um conteúdo pensando na pessoa que provavelmente vai comprar de você sem ter uma abordagem agressiva. Por exemplo, se você vende geladeiras, ofereça conteúdos que mostrem ao seu público como escolher o modelo ideal, ou até mesmo dar dicas de decoração para a cozinha.
  • Tenha caixas de captura de e-mail em seu blog. Com elas, você conseguirá gerar leads e saberá fazer a nutrição dos mesmos a partir dos assuntos que eles se interessam.
  • Integre o blog ao seu e-commerce. Busque colocar na página do conteúdo fotos e links para seus produtos, mostrando-os não de maneira intrusiva e sim como opções de compras que estejam ligadas ao que seu público esteja lendo.

Busque deixar o blog dentro de sua loja virtual ou em um subdomínio, pois quando você deixa em um domínio separado o Google irá entender que se tratam de dois sites diferentes e não dará tanta autoridade ao seu domínio principal.

Fonte: A Importância do Blog Para o E-commerce | Agência Mestre

 

Gerente de ecommerce

Buscando uma solução completa para criar e administrar a sua loja virtual? Conheça o serviço completo acessando o Gerente de loja virtual.

Facebook para empresas: 3 dicas para administrar a página com sucesso

O Facebook é um grande espaço para conversa, onde as pessoas encontram outras pessoas, conversam, compartilham, buscam novidades e debates. A cada atualização, uma das prioridades da rede social é focar no que mais interessa a seus usuários, que é conversar com seus amigos.

Nesse grande espaço de conversa, as empresas podem e querem participar, mas precisam estar dispostas a conversar, ou seja, falar e escutar as respostas (não só os elogios). Mas conversar em base ao que? Em base aos temas e conteúdos que ligam o trabalho e atuação da empresa com os interesses, paixões, sonhos, objetivos dos seu público, seus clientes em potencial.

Com algumas dicas valiosas de comunicação em redes sociais, Camila Porto oferece três dicas para páginas de empresas no Facebook nesta entrevista à Revista PEGN:


3 dicas para administrar a página da sua empresa no Facebook

A especialista Camila Porto é autora do livro “Facebook Marketing: como gerar negócios na maior rede social do mundo” (Foto: Divulgação)
Para a especialista em marketing digital, Camila Porto, de 27 anos, uma das principais dificuldades de quem começa uma página de empresa no Facebook é saber exatamente que tipo de conteúdo postar.

“Algumas pessoas acham que só devem postar coisas sobre o produto ou serviço que estão oferecendo. Outras acham que só é válido postar um conteúdo muito produzido e elaborado.” A verdade, diz, é que existem muitos mitos em relação às redes sociais.

Autora do livro “Facebook Marketing: como gerar negócios na maior rede social do mundo”, Camila leciona cursos online sobre a rede social desde 2012. De lá para cá, mais de cinco mil alunos já receberam instruções da especialista sobre como atuar na plataforma. “No último ano, recebemos cerca de 250 novos alunos por mês”, diz.

Foi ao longo desse tempo que ela notou que muitas pessoas acabam criando uma impressão errada sobre o que é o Facebook e como a plataforma funciona. “Muita gente não entende que o Facebook é sobre relacionamentos. Não adianta sair vendendo e postando o que você quer. É preciso construir uma relação com aqueles que estão na página.”

A seguir, a especialista enumerou algumas dicas sobre como administrar a página de um negócio no Facebook:

Siga a regra do 8/2 – e não seja óbvio

A cada 10 posts na rede social, oito devem ser sobre conteúdos relacionados ao negócio. Apenas dois devem ser sobre o produto ou serviço oferecido pela empresa. “As publicações sobre conteúdo não precisam ser tão óbvias. Se você tem uma academia, por exemplo, não adianta postar que exercício físico faz bem para a saúde. Quem já curte a sua página, sabe disso”, afirma. Em vez disso, a especialista sugere postar informações mais específicas e que sejam interessantes para quem está na página. “Se você conhece muito bem a área que atua, procure aquilo que te deixa surpreso ou que você acha interessante. Você pode ser o seu próprio ‘funil’ do que postar ou não.”

Trabalhe para “matar objeções”

A pessoa que não consome o que você oferece muitas vezes tem uma objeção em relação a seu produto. “Por exemplo, muita gente não gosta de alimentos naturais porque são caros ou porque são ruins.” Uma boa ideia, então, é aproveitar os posts para descontruir os mitos. “Você explica para o sujeito porque ele está errado. Muitas vezes, ele nunca pensou direito sobre o assunto e, quando você traz argumentos, ele se torna um cliente.”

Tudo é conteúdo

Ter uma boa página no Facebook não significa gastar dinheiro com a produção de conteúdos para serem postados. “Grave uma dica para o seu cliente, tire uma foto dos novos produtos que chegaram no estoque”, diz Camila. “É interessante mostrar algum bastidor da empresa para o consumidor, mostrar a cara do dono. Isso tudo torna a empresa mais próxima do internauta, gera uma conexão.”


 

 

Criando um Projeto Editorial: Conhecendo melhor sua Audiência

Conhecer o seu público, os seus leitores, os seus clientes, é algo fundamental para qualquer empreendimento. As diferentes mídias digitais, sejam sites, blogs, lojas virtuais, redes sociais, permitem que esse entendimento não seja fruto de apenas uma percepção subjetiva ou de relatos esparsos, nem da contratação de pesquisas caras, mas sim com diversas ferramentas pagas e gratuitas com esse fim, desde que usadas de forma planejada e estratégica.

Confira as excelentes dicas do Edney sobre como conhecer melhor o seu público. Ele vai por vários caminhos:

Conhecer as palavras chave das pesquisas do Google, lembrando que o seu site deve ser otimizado para pesquisas bem como ser adaptado para smartphones e tablets.

Conhecer sites relacionados é uma forma muito interessante de conhecer mais os seus clientes. Isso pode se aplicar ao seu site ou também, a sites de concorrentes e especialmente aos sites de temas que interessam ao seu público. Parcerias de anúncios, publicações patrocinadas e afins podem ser pensadas com essa pesquisa.

Por fim, redes sociais são um excelente caminho. Twitter e Facebook apresentam ferramentas para análise de público muito interessante, mas que requerem certa habilidade.

Confira!

WordPress.com em Português (Brasil)

Conquistar audiência na internet é cada vez mais difícil, todos os dias temos novas pessoas e empresas lançando blogs, sites, videologs e páginas.

Produzir um bom conteúdo sempre foi um diferencial competitivo importante e tem se tornado cada vez mais um fator decisivo para trazer mais visitantes.

Para te ajudar nessa jornada, vamos iniciar uma série de posts ensinando a montar um Projeto Editorial. O Projeto Editorial é um planejamento de conteúdo, através dele você vai conhecer melhor sua audiência, definir a melhor maneira de se comunicar com seus leitores, divulgar melhor o seu conteúdo e se relacionar com outros produtores de conteúdo.

Nesse primeiro post vamos falar sobre Análise de Público Alvo. Abaixo seguem algumas dicas de como conhecer melhor seus leitores atuais e como descobrir hábitos e preferências do público que você quer conquistar.

Planejador de Palavras Chaves do Google AdWords

Google Adwords é o produto do Google…

Ver o post original 1.237 mais palavras

Fatores de Ranqueamento para SEO em 2015

A Mestre SEO divulgou um excelente artigo apresentando e comentando o resultado das pesquisas das empresas Moz e SearchMetrics sobre os principais fatores de um bom posicionamento no Google.

Veja abaixo algumas seleções do artigo sobre os estudos:

Correlação de Fatores de Ranqueamento

A correlação nada mais é do que notar um fato que ocorre e inferir que o resultado depende daquele fato. Por exemplo, posso dizer que toda vez que chove, as pessoas usam botas. Isto parece uma verdade, mas as pessoas podem usar botas sem estar chovendo, ou ainda, usar outro tipo de calçado enquanto chove. O ponto é que notei um fato, que ocorre várias vezes e normalmente acontece quando chove. Desta forma, eu crio uma verdade e assumo ela como sendo um ponto importante.

Na mesma lógica funcionam os estudos dos fatores de rankeamento de SEO mas com um lado muito mais científico. Um exemplo simples é analisar quantos sites que estão nas primeiras posições, possuem o título com a palavra-chave alvo. Digamos que ao ver o comportamento em 20.000 palavras-chave, notamos que 95% dos sites no 1º lugar possuem a palavra-chave alvo no título. Assim, posso dizer que ter a palavra-chave alvo no título é bem correlacionada com bom posicionamento. É exatamente isto o que os estudos apontam.

Fatores Importantes para 2015

Ambos os estudos apontam diversos fatores de rankeamento, mas sempre alguns se destacam.

Presença do termo na página

Nesta parte do estudo, analisa-se a presença o termo ou frase no HTML da página, seja ele no título, em H1s, alt tag, etc., assim como relevância semântica e modelagem de linguagem para estas palavras.

Ano após ano, o que se vê é uma baixa correlação (no máximo 0,13) no uso de palavras-chave na página:

Uso de palavras-chave no conteúdo

Fatores na página não relacionados com termos

Também analisou-se o tamanho da página, uso de tag hreflang, número total de links presentes na página (apontando para fora), os quais mostram uma associação moderada com rankings no Google. O curioso foi encontrar uma baixa correlação entre o uso de HTTPs nos sites, algo que o Google reforça ao longo dos últimos meses, mencionando que seria um ponto positivo para melhorar nos rankings:

Fatores On-page não relacionados à palavra-chave

O estudo da SearchMetrics também mostra que o uso de HTTPs não possui tanta correlação com rankings, quanto o Google “menciona” através dos seus funcionários:

HTTPs é um fator?

Velocidade de Páginas

O estudo da SearchMetrics mostra uma boa correlação entre páginas que carregam mais rápido com seus rankings. Basicamente páginas posicionadas nos primeiros lugares, tanto no desktop quanto no mobile, tendem a carregar rapidamente:

Fatores: velocidade de carregamento

Backlinks ainda contam, e muito!

Apesar de vir caindo ao longo dos anos de estudo, os backlinks continuam com uma correlação muito grande quando falamos em posicionamento no Google.

Fatores externos: links de referência

Domínios exatos

Talvez uma das perguntas que eu mais receba é se possuir um domínio exato ajuda. Uma das coisas que o estudo mostra é que existe sim uma boa correlação de bons rankings com o domínio exato (por exemplo “hoteis.com” ou “comprecasas.com.br”). Apesar disto, esta correlação alta está mais ligada aos backlinks que este tipo de domínio recebem, com texto âncora exato, tornando o domínio mais forte:

Fatores para Domínios

Links para o Site/Domínio

Um dos fatores que também possui uma alta correlação com rankings é a quantidade de links que apontam para o domínio. Todas as variações desta afirmação também são bem correlacionadas no estudo, tal como receber links de sites diferentes, que estejam em IPs diferentes, para páginas diferentes do seu domínio e/ou de páginas diferentes. Também há a menção de autoridade do site que linka para você, mostrando que tudo, conectado a backlinks correlaciona muito bem com posicionamento:

Fatores para domínios

Uso de Texto-Âncora

Uma das coisas que sempre menciono em nosso curso de SEO é que o Google realmente presta atenção no texto âncora dos seus backlinks. O estudo mostra que receber links com o texto âncora do termo alvo que você deseja rankear, possui um alto valor de correlação com bons rankings:

Fatores de rankeamento: texto âncora

E o Social? Ajuda?

Uma das coisas também que escuto bastante como pergunta é se as mídias sociais ajudam a posicionar no Google. O estudo mostra que a correlação é alta entre páginas com um número alto de compartilhamentos, likes, retweets e +1’s. Contudo, acredita-se que o Google não utilize a contagem diretamente em seu algoritmo, mas sim que as páginas que estão bem posicionadas tendem a ser mais vistas pelas pessoas e por isto elas são bem compartilhadas. Ao meu ver é mais um cause e efeito, no sentido de que as melhores páginas tendem a ser mais compartilhadas nas mídias sociais.

Fatores Sociais de Rankeamento

6 Ferramentas gratuitas para monitorar seu site ou blog

Ótimo artigo do Edney!

WordPress.com em Português (Brasil)

Acompanhar a repercussão do que você escreve não é apenas uma forma digital de egocentrismo. Medir quanto impacto cada conteúdo produz e observar as reações da sua audiência vai lhe ajudar a planejar melhor seus textos.

Para quem usa o site como divulgação da sua marca é importante saber como sua empresa está repercutindo na internet, além disso ler as reações do seu público  vai te ensinar muito sobre seus interesses e ajudá-lo a melhorar a comunicação dos seus produtos e serviços.

Share Tally

ShareTally

O Share Tally te mostra quantas vezes seu post foi compartilhado em diversas redes sociais (como Facebook, Twitter, Pinterest, Google+ e Linkedin entre outras) e ferramentas de leitura como o Pocket. Em algumas dessas redes ele exibe um link onde você pode clicar para ver os compartilhamentos em detalhe.

Não se impressione com a quantidade de compartilhamentos, quando uma empresa enfrenta uma crise, ou uma…

Ver o post original 570 mais palavras

As 3 tendências que os profissionais de comunicação devem prestar atenção em 2015, segundo o Google

O Google sempre lança as suas tendências estruturadas em bases a estudos e pesquisas do ano anterior. Para 2015, as tendências para os profissionais de comunicação digital e marketing do Google podem ser resumidas nos três tópicos listados e comentados abaixo.

Naturalmente o que o Google vê como tendência para o ano são tendências que vão ganhar um melhor destaque a partir deste ano e vão ser cada vez mais implementadas e fazer parte do planejamento das empresas e consultorias de marketing e comunicação digital.

A chamada “internet das coisas”, dispositivos conectados comunicando-se e coletando informações, a nossa relação cada vez mais dinâmica com os dispositivos móveis e a velocidade da vida digital é o que tem lugar nestas três tendências para 2015 segundo o Google. Confira:

1. AS PLATAFORMAS CONECTADAS ESTÃO EMERGINDO

Os profissionais de comunicação devem ter o futuro em mente e perceber que os objetos conectados irão gerar mais dados e devem ser utilizados para criar melhores experiências. Recomendações devem ter como base as preferências. Explorar a tecnologia programática para entregar anúncios relevantes em tempo real. Utilizar insights gerados por dados para melhorar ainda mais o nível de atendimento ao consumidor e às comunidades criadas e cultivadas na comunicação digital.

2. O DISPOSITIVO MÓVEL DÁ FORMA À “MINHA INTERNET”

O profissional de comunicação deve ter em mente que o dispositivo móvel é o controle remoto das nossas vidas. Lembra-se daquela história da “segunda tela”? Em 2014 a segunda tela já está mais que estabelecida, agora a tendência é ela evoluir em nível de interatividade e expectativa dos usuários. Ter certeza de que os clientes tem uma ótima experiência com a marca ou comunidade gerida através dos smartphones. Fazer uso de contextos para tornar a experiência ainda melhor, ou seja, entregar conteúdo relacionando a sua localização, anúncios com inventário local e compras em um único clique.

3. O DIGITAL AUMENTA AINDA MAIS A VELOCIDADE DA VIDA

Os profissionais de comunicação devem compreender que os consumidores esperam conseguir o que desejam no momento em que querem. Pensar sobre o que isso significa para o negócio gerido – atendimento 24 horas? Entrega on demand? Estratégia de palavras-chave mais compreensiva? Fazer as interações acontecerem de forma mais rápida, simples e fácil. É fundamental ter certeza de que estas interações são úteis em todos os momentos.

O Google utilizou os dados das mais de 100 bilhões de buscas realizadas por mês para identificar as principais tendências em tecnologia para este ano. Os resultados trazem insights valiosos quanto ao interesse do consumidor nesse segmento. Entre os destaques: objetos conectados que atuam como plataformas, drones, smartphones e câmeras em HD ultraleves.

Confira as tendências em tecnologia no infográfico completo:

3 tendencias tecnologicas que os profissionais de comunicacao precisam acompanhar em 2015 - Google

O crescimento de smartphones no Brasil

Vou propor algumas perguntas para iniciar o tema:

  • A sua empresa está preparada para o mobile?
  • O o site da sua empresa abre no seu smartphone?
  • E é possível navegar por ele ou é uma tristeza que nunca funciona?

Ai, se a sua resposta para essas perguntas for negativa (e provavelmente é, pois pouquíssimas empresas estão preparadas), você pode argumentar:

Olhando os números de acesso ao meu site vejo que a quantidade de pessoas acessando é tão pequena… É pouca gente. Nem vale a pena!

Atualmente a porcentagem de pessoas é pequena porque os smartphones ainda estão se popularizando (rápido) e também porque eles não vão ter muito a fazer em um site que não foi pensado para smartphones, não acha? O número pode ser pequeno hoje, mas ontem era inexistente, e cresce rápido pois quem vai comprar um novo celular provavelmente tem um smartphone em mente. Se você realmente pensa que os dispositivos móveis são modismo, prepare-se, pois se o seu concorrente mudar de ideia antes de você e os clientes vão notar a diferença… Confira alguns números no vídeo:

Na América Latina

Saiu no Terra Tecnologia que a empresa Telefônica espera que o crescimento do uso de smartphones na américa latina vai saltar de 13% para 43% nos próximos 3 anos. O CEO da multinacional, César Alierta, mostrou os seguintes dados sobre os outros continentes:

… para 2016 e Europa ocidental já terá 83% de penetração de smartphones (contra os 57% de 2012), A Ásia-Pacífico terá 31% (contra os 14% atuais) e a América do Norte crescerá dos atuais 54% para 75%.

Realmente o crescimento é impressionante. Confira a notícia completa: América Latina é a mais rápida em crescimento de smartphones.

E no Brasil?

O Brasil é um grande case mundial sobre acesso e usa da internet e de dispositivos móveis. Todo ano os brasileiros vão quebrando o recorde de uso de celulares. A proporção, atualmente, chega a 218,58 linhas ativas para cada grupo de 100 habitantes no Distrito Federal! Haja bolso para tanto celular! Mas, ao compararmos com o estado que possui a menor proporção, o Maranhão, chega a 91 aparelhos para cada grupo de 100 habitantes. Isso significa que na região que menos possui celulares, são apenas 9 sem celular para cada 100 com celular!

Confira os dados aqui no Portal EBC com a matéria Brasil chega a 263 milhões de linhas de celulares ativas.

Esse processo implica em muitas coisas, uma delas é o acesso cada vez mais rápido, amplo e barato à tecnologia. Lembra-se quando no Brasil linhas de telefone eram bens legados em testamentos? Pois, as coisas mudaram e tem mudado cada vez mais rápido. No caderno Economia&Negócios do Estadão, na matéria Crescimento da telefonia celular reduz espera do Brasil por novas tecnologias, podemos ler:

O Brasil fechou o ano passado com 261,8 milhões de linhas de telefonia móvel, segundo a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). A multinacional americana Cisco afirma que 157 milhões de brasileiros têm telefone celular. Mesmo assim, nos próximos cinco anos, o mercado seguirá crescendo 2,2% ao ano.

O crescimento é certo, isso não é modismo ou benefício exclusivo de determinada classe social ou região geográfica.

E os smartphones?

Agora podemos nos perguntar sobre a presença dos smartphones, celulares que permitem instalação de aplicativos especiais e acesso a internet. Qual o seu uso no Brasil? A matéria revela:

E o grande desafio dos próximos anos será expandir o serviço de dados. Agora que já fala à vontade no celular, o brasileiro quer navegar na internet com qualidade. Estatísticas da Cisco apontam que o tráfego de dados em aparelhos móveis no País cresceu 67% somente em 2012.

Para os próximos cinco anos, a expectativa é que o volume de dados transmitidos na rede móvel brasileira continue a se expandir 65% ao ano, um ritmo superior ao dos Estados Unidos e da Europa, mercados onde o acesso à internet móvel é bem mais disseminado.

É compreensível essa situação. Com o crescimento de serviços online, todos querem utilizá-los também em seus celulares. Com o crescimento econômico brasileiro e a ascensão da classe C, de crédito, pleno emprego, etc, etc, ninguém quer ficar no “tijolão” (apesar de todos sentirem saudades do seu Nokia indestrutível).

Internet no telefone

Os números do acesso à internet dos brasileiros é também notável em todos os seus aspectos. O Google fez uma cuidadosa pesquisa em 2012 mostrando o comportamento do usuário de dispositivos móveis no Brasil. Confira nos slides baixo os dados cuidadosos:

A questão principal aqui é: A sua empresa está preparada?