Fatores de Ranqueamento para SEO em 2015

A Mestre SEO divulgou um excelente artigo apresentando e comentando o resultado das pesquisas das empresas Moz e SearchMetrics sobre os principais fatores de um bom posicionamento no Google.

Veja abaixo algumas seleções do artigo sobre os estudos:

Correlação de Fatores de Ranqueamento

A correlação nada mais é do que notar um fato que ocorre e inferir que o resultado depende daquele fato. Por exemplo, posso dizer que toda vez que chove, as pessoas usam botas. Isto parece uma verdade, mas as pessoas podem usar botas sem estar chovendo, ou ainda, usar outro tipo de calçado enquanto chove. O ponto é que notei um fato, que ocorre várias vezes e normalmente acontece quando chove. Desta forma, eu crio uma verdade e assumo ela como sendo um ponto importante.

Na mesma lógica funcionam os estudos dos fatores de rankeamento de SEO mas com um lado muito mais científico. Um exemplo simples é analisar quantos sites que estão nas primeiras posições, possuem o título com a palavra-chave alvo. Digamos que ao ver o comportamento em 20.000 palavras-chave, notamos que 95% dos sites no 1º lugar possuem a palavra-chave alvo no título. Assim, posso dizer que ter a palavra-chave alvo no título é bem correlacionada com bom posicionamento. É exatamente isto o que os estudos apontam.

Fatores Importantes para 2015

Ambos os estudos apontam diversos fatores de rankeamento, mas sempre alguns se destacam.

Presença do termo na página

Nesta parte do estudo, analisa-se a presença o termo ou frase no HTML da página, seja ele no título, em H1s, alt tag, etc., assim como relevância semântica e modelagem de linguagem para estas palavras.

Ano após ano, o que se vê é uma baixa correlação (no máximo 0,13) no uso de palavras-chave na página:

Uso de palavras-chave no conteúdo

Fatores na página não relacionados com termos

Também analisou-se o tamanho da página, uso de tag hreflang, número total de links presentes na página (apontando para fora), os quais mostram uma associação moderada com rankings no Google. O curioso foi encontrar uma baixa correlação entre o uso de HTTPs nos sites, algo que o Google reforça ao longo dos últimos meses, mencionando que seria um ponto positivo para melhorar nos rankings:

Fatores On-page não relacionados à palavra-chave

O estudo da SearchMetrics também mostra que o uso de HTTPs não possui tanta correlação com rankings, quanto o Google “menciona” através dos seus funcionários:

HTTPs é um fator?

Velocidade de Páginas

O estudo da SearchMetrics mostra uma boa correlação entre páginas que carregam mais rápido com seus rankings. Basicamente páginas posicionadas nos primeiros lugares, tanto no desktop quanto no mobile, tendem a carregar rapidamente:

Fatores: velocidade de carregamento

Backlinks ainda contam, e muito!

Apesar de vir caindo ao longo dos anos de estudo, os backlinks continuam com uma correlação muito grande quando falamos em posicionamento no Google.

Fatores externos: links de referência

Domínios exatos

Talvez uma das perguntas que eu mais receba é se possuir um domínio exato ajuda. Uma das coisas que o estudo mostra é que existe sim uma boa correlação de bons rankings com o domínio exato (por exemplo “hoteis.com” ou “comprecasas.com.br”). Apesar disto, esta correlação alta está mais ligada aos backlinks que este tipo de domínio recebem, com texto âncora exato, tornando o domínio mais forte:

Fatores para Domínios

Links para o Site/Domínio

Um dos fatores que também possui uma alta correlação com rankings é a quantidade de links que apontam para o domínio. Todas as variações desta afirmação também são bem correlacionadas no estudo, tal como receber links de sites diferentes, que estejam em IPs diferentes, para páginas diferentes do seu domínio e/ou de páginas diferentes. Também há a menção de autoridade do site que linka para você, mostrando que tudo, conectado a backlinks correlaciona muito bem com posicionamento:

Fatores para domínios

Uso de Texto-Âncora

Uma das coisas que sempre menciono em nosso curso de SEO é que o Google realmente presta atenção no texto âncora dos seus backlinks. O estudo mostra que receber links com o texto âncora do termo alvo que você deseja rankear, possui um alto valor de correlação com bons rankings:

Fatores de rankeamento: texto âncora

E o Social? Ajuda?

Uma das coisas também que escuto bastante como pergunta é se as mídias sociais ajudam a posicionar no Google. O estudo mostra que a correlação é alta entre páginas com um número alto de compartilhamentos, likes, retweets e +1’s. Contudo, acredita-se que o Google não utilize a contagem diretamente em seu algoritmo, mas sim que as páginas que estão bem posicionadas tendem a ser mais vistas pelas pessoas e por isto elas são bem compartilhadas. Ao meu ver é mais um cause e efeito, no sentido de que as melhores páginas tendem a ser mais compartilhadas nas mídias sociais.

Fatores Sociais de Rankeamento

Anúncios

As 3 tendências que os profissionais de comunicação devem prestar atenção em 2015, segundo o Google

O Google sempre lança as suas tendências estruturadas em bases a estudos e pesquisas do ano anterior. Para 2015, as tendências para os profissionais de comunicação digital e marketing do Google podem ser resumidas nos três tópicos listados e comentados abaixo.

Naturalmente o que o Google vê como tendência para o ano são tendências que vão ganhar um melhor destaque a partir deste ano e vão ser cada vez mais implementadas e fazer parte do planejamento das empresas e consultorias de marketing e comunicação digital.

A chamada “internet das coisas”, dispositivos conectados comunicando-se e coletando informações, a nossa relação cada vez mais dinâmica com os dispositivos móveis e a velocidade da vida digital é o que tem lugar nestas três tendências para 2015 segundo o Google. Confira:

1. AS PLATAFORMAS CONECTADAS ESTÃO EMERGINDO

Os profissionais de comunicação devem ter o futuro em mente e perceber que os objetos conectados irão gerar mais dados e devem ser utilizados para criar melhores experiências. Recomendações devem ter como base as preferências. Explorar a tecnologia programática para entregar anúncios relevantes em tempo real. Utilizar insights gerados por dados para melhorar ainda mais o nível de atendimento ao consumidor e às comunidades criadas e cultivadas na comunicação digital.

2. O DISPOSITIVO MÓVEL DÁ FORMA À “MINHA INTERNET”

O profissional de comunicação deve ter em mente que o dispositivo móvel é o controle remoto das nossas vidas. Lembra-se daquela história da “segunda tela”? Em 2014 a segunda tela já está mais que estabelecida, agora a tendência é ela evoluir em nível de interatividade e expectativa dos usuários. Ter certeza de que os clientes tem uma ótima experiência com a marca ou comunidade gerida através dos smartphones. Fazer uso de contextos para tornar a experiência ainda melhor, ou seja, entregar conteúdo relacionando a sua localização, anúncios com inventário local e compras em um único clique.

3. O DIGITAL AUMENTA AINDA MAIS A VELOCIDADE DA VIDA

Os profissionais de comunicação devem compreender que os consumidores esperam conseguir o que desejam no momento em que querem. Pensar sobre o que isso significa para o negócio gerido – atendimento 24 horas? Entrega on demand? Estratégia de palavras-chave mais compreensiva? Fazer as interações acontecerem de forma mais rápida, simples e fácil. É fundamental ter certeza de que estas interações são úteis em todos os momentos.

O Google utilizou os dados das mais de 100 bilhões de buscas realizadas por mês para identificar as principais tendências em tecnologia para este ano. Os resultados trazem insights valiosos quanto ao interesse do consumidor nesse segmento. Entre os destaques: objetos conectados que atuam como plataformas, drones, smartphones e câmeras em HD ultraleves.

Confira as tendências em tecnologia no infográfico completo:

3 tendencias tecnologicas que os profissionais de comunicacao precisam acompanhar em 2015 - Google